Meneguzzi se pronunciou sobre a falta de estoque de EPIs na SMOSP

Parlamentar do PSB acredita que a morosidade do processo público prejudica a segurança dos trabalhadores da Secretaria de Obras e Serviços Públicos

O vereador Alberto Meneguzzi/PSB se pronunciou, na sessão desta terça-feira (20), sobre a falta de estoque de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), na Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos. Ele apresentou documentos encaminhados pela Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) da Secretaria, que solicitam ao Executivo, desde abril de 2019, que sejam feitas as adequações na compra de EPIs.

Meneguzzi revelou que, no último documento sobre o caso, emitido no dia 21 de setembro, a CIPA ressalta ao secretário Gilberto Meletti: “a falta de EPIs dentro de nossa Secretaria está de forma insustentável”. Ainda segundo a Comissão, o gestor tem o dever de orientar os servidores a parar de trabalhar sem EPI e que ele, as chefias e o Município poderão ser responsabilizados em caso de algum acidente de trabalho. Os documentos revelam estoque insuficiente de EPIs como sapatos de segurança, luvas, uniforme e chapéu de pano, entre outros. Há informações de que no Almoxarifado do Setor de Drenagem e Saneamento, localizado no bairro Floresta, tem apenas 20 peças de roupa e 50 pares de PVC, por exemplo, para 100 pessoas trabalharem.

O vereador informou que os secretários Gilberto Meletti e Valéria Worman, de Recursos Humanos e Logística, admitiram a dificuldade em várias licitações, lançadas no ano passado. “Nós estamos em outubro de 2020 e ainda não conseguiram colocar o estoque suficiente para que os trabalhadores da Secretaria de Obras possam trabalhar tranquilamente e com toda a segurança”, afirmou. Ainda segundo Meneguzzi, entre as dificuldades apontadas pela secretária Valéria estão problemas verificados em lotes de EPIs, que estariam fora das recomendações, sendo necessário lançamento de novo edital de licitação.

“Mais de 700 funcionários estão sem EPIs por causa da burocracia. Não é má vontade dos secretários, mas desde abril do ano passado, a burocracia tem emperrado a compra de EPIs. É inadmissível que essas licitações acabem sendo canceladas, os itens não vêm adequados e ai quem saiu no prejuízo são os servidores que precisam destas EPIs para poder trabalhar”, salientou.

Alberto Meneguzzi lembrou que, no ano passado, também trouxe à tribuna do Legislativo, uma série de apontamentos da CIPA sobre a estrutura física dos prédios das Subprefeituras de Caxias do Sul. Fato que, segundo o parlamentar, não foram regularizadas até agora.

Fonte: Acredita Caxias

alb